Sunday, August 7, 2011

Minha volta temporária pra casa, em 2010.

1 viagens...

Escrevi esse texto quando estava no aeroporto de Guarulhos, esperando meu voo pra Recife. Nem sei por que nunca postei... =P


Às 11 da manhã o sino da St. Patrick’s Church bateu.

Eu e Lavínia saímos de casa e decidimos pegar um táxi, porque àquela hora, se pegássemos um ônibus não daria tempo. Claro que alguém tinha de esquecer alguma coisa... e eu esqueci. Voltei em casa, catei rápido e voltei pra rua.

Dublin é uma cidade em que os taxistas fazem protesto pra os governantes não darem mais licenças para novos táxis. É uma cidade que se você parar numa esquina dessas qualquer e observar o tráfego, vai perceber que passam mais táxis que carros comuns. Os táxis que passavam estavam seeeeempre ocupados. Até que surgiu o do Liam [não, não é o Gallagher do Oasis.. rsrs], irlandês cabeça laranja que nos levou até o aeroporto.

Empolgadíssima e sem ter dormido quase nada na noite anterior, fui com Lavis até o balcão de check-in da Ibéria. Fechado. Ninguém. Nada. Nem uma alma pra informar algo. Calma, vamo lá no outro balcão da empresa... talvez eles saibam, né?

Sabem nada. O homenzinho lá queria comer em vez de atender a gente. Daí disse pra gente ir ao escritório da empresa, do outro lado do aeroporto. Ainda bem que o aeroporto de Dublin é pequeno em comparação a alguns outros...

- Oi, eu remarquei meu voo em agosto pra hoje, mas tá tudo fechado... sabe dizer alguma coisa?

- ... ... ... Bom, esse voo foi adiado pra amanhã. Você não foi informada?

- Não. Se eu tivesse recebido informação, não estaria aqui. Agora eu peguei táxi, gastei dinheiro, me organizei pra ir hoje...

- Olha, tem um voo pela AerLingus pra Madrid às 16h15.

Eram 12 horas. Meio dia. Depois de conversar, negociar e garantir que eu passaria com uma mochilona e uma bolsa com o laptop e, além disso, que pegaria os outros voos [madrid-guarulhos-recife], resolvi ir.

- Débora, tu já tás aqui mesmo... é melhor ir nesse voo mesmo.

- É mesmo, Lalá... vai, moça, me bota nesse voo aí mesmo...

E assim foi. Comemos, conversamos, nos despedimos... essas coisas...

E fui toda serelepe pra receber meu dinheirinho de volta dos produtos eletrônicos que havia comprado.

- Se você receber esse dinheiro, não vai poder voltar pra Europa dentro do prazo de um ano.

- Oi?

- É... você não pode receber esse imposto pago de volta. A não ser que você passe um ano sem pisar em solo europeu.

- Ah, tá... obrigada, viu, moça...

E tome esperar... entrei mais cedo pelo portão de embarque SÓ por causa desse dinheirinho...

Depois de um bocaaaado de tempo:

- Atenção senhores passageiros do voo tal com destino a Madrid, informamos que o voo sofreu atraso devido a um problema na turbina. Daremos mais informações às 16h45.

Às 18h de Dublin eu consegui sentar na poltrona do primeiro avião.

Às 22h10 de Madrid [21h10 em Dublin] eu consegui sair da poltrona do primeiro avião.

Voo Madrid-Guarulhos marcado para fechar os portões de embarque às 23h35. Tempo suficiente. Mas não para quem está no aeroporto Barajas, de Madrid. Aquilo não é um aeroporto... é uma cidade inteira!

Anda, anda, anda... pega ônibus.

Quase 10 minutos dentro do ônibus, chego no terminal correto.

Anda, anda, anda... passa pela polícia, raios-x e tudo que está incluso.

Anda, anda, anda... anda, anda, anda... anda, anda, anda... chego num salão com duas portinhas abertas e dois homens checando os passaportes.

Espero na fila interminável, recebo meu carimbo.

Ando, ando, ando... subo escada, desço escada... acho que as setinhas indicativas dos portões de embarque são o suficientes. Ledo engano.

Vooooooooolto e pergunto à mocinha. Eu estava certa, mas era só andar mais... o portão fica no fim do corredor.

Acho o portão. Lotaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaado de brasileiro e gringo... claro. Espanhóis deveriam ser chamados de portugueses. Tentaram organizar a fila, sem sucesso. Uma demora sem fim pra fazer as 300 pessoas [mais ou menos] embarcarem e se acomodarem. Resultado? Voo atrasado.

Dez horas depois, o querido piloto avisa que o avião deverá pousar com 40 minutos de atraso devido aos controladores de voo.

Fico zanzando no aeroporto de guarulhos e finalmente encontro o guichê da TAM. Pego meu cartão de embarque e fico pronta pra esperar mais ou menos umas 5 horas até embarcar.

- Moça, quanto é se eu quiser conectar a internet?

- No seu computador ou no nosso?

- Qual a diferença?

- No seu fica 7 reais a hora, no nosso, 20.

- O quê? 20 reais uma hora de internet???? Olhe, sou tão viciada assim não, viu? Xau!

Zanzando no aeroporto, tenho a impressão de ver um amigo que nunca vi pessoalmente, mas que disse que não poderia ir me ver porque estaria trabalhando no dia. Olhei as tatuagens, procurei a caveira do pescoço, não achei. Então não deve ser ele. E saí de perto.

Esperando uma vida pra embarcar. Claro, voo Guarulhos-Recife atrasado. Quarenta minutos, no mínimo.

Durante esse tempo, o arrependimento de não ter falado o nome do amigo, pra ver se aquele rapaz olhava... se olhasse e risse, era ele né? Bah... deixa pra próxima, se é que vai haver...

E o pior: não tem internet grátis em aeroporto nenhum do mundo! Que caos!

Finalmente, o voo pra casa.

Cheguei em pedacinhos, mas feliz e chorosa, por ter encontrado os meus.. =)

Wednesday, August 3, 2011

Dublin, 09 de agosto de 2010

0 viagens...

Mãe,
Quando eu digo que está tudo bem, é porque nada demais tem acontecido comigo... Esse lance do mestrado ainda tá mexendo bastante comigo. Tenho pensado muito no que fazer agora, já que teoricamente não tenho mais motivo pra ficar por aqui. Acontece que eu tenho vivido bastante coisas em Dublin. Tá sendo completamente diferente do ano passado, quando eu só ficava conectada ao Brasil o tempo todo. Hoje mais não... eu tenho saído, conhecido gente de todo canto do mundo, feito amizades, falado bastante inglês... Por isso eu tenho pensado tanto no momento de ir embora... agora que tá tão bom aqui nesse sentido, tá chegando a hora de ir embora, entende? Era isso que eu temia: sentir falta do que Dublin me proporcionou. Por isso no ano passado eu nem queria saber daqui. Pra não ter de dizer adeus. Entende? É como se eu tivesse começado uma nova vida esse ano aqui. Não, eu não esqueço de ninguém daí. E sim, Recife é minha casa. Acontece, mainha, que eu tenho visto tantas coisas do lado de cá... Sabe o mito da caverna de Platão? Eu me sinto como se eu tivesse saído da caverna, descoberto que as sombras existem e que há muita vida do lado de fora. Nessas horas não dá vontade de voltar. Mas aqui também é, de certa forma, uma caverna...
Tem gente que diz aqui que quem viaja é porque foge de alguma coisa. Eu não sei do que eu fujo... na verdade nem sei se fujo ou se busco.
Pra ser sincera, eu nem sei se eu queria mesmo voltar no fim do ano. Eu sei que é duro pra senhora ler isso, mas é duro pra mim também assumir isso... Não que eu queira ficar aqui, entende? Mas sei lá... talvez Recife seja muito pequena pra mim. Ou talvez seja só paranoia minha e romantismo demais da minha parte. Eu também não sei pra onde iria, se fosse pra não voltar. Eu também não sei se o 'sonho' do mestrado virou mais uma desculpa do que propriamente uma vontade minha. Às vezes dá vontade de viver viajando o mundo, descobrindo novos mundos. Não sei se eu já comentei com a senhora, mas eu só li dois livros desde que cheguei aqui, há um ano e meio. E eu acho que é porque a minha 'viagem' aqui é outra. Não é imaginando, é vivendo, entende? É isso...
Eu sempre tive medo de tudo na minha vida, mãe... a senhora sabe disso... mas parece que aqui eu tenho enfrentado meus medos mais do que aí. Porque aqui, mesmo com Lavínia, eu tô sozinha. Sou eu comigo mesma. Ou eu tomo uma atitude ou fico na mesma. E eu tenho feito coisas aqui que certamente não faria se estivesse em Recife.. saí da zona de conforto... e não tô muito afim de voltar pra ela, sabe?
Eu não tenho certeza se volto no fim do ano, mainha... Eu quero tirar esse certificado agora e a prova é só em dezembro. Mas como eu disse, não tem data definida. Devo ir ao aeroporto semana que vem trocar a data da passagem (a passagem de volta pro Brasil eu tenho, não precisa se preocupar com isso). Estar sem internet em casa é o que mais dificulta... não dá pra estudar, não dá pra me comunicar com vcs direito... é complicado.
Por causa do certificado, acredito que não vá mais pra Itália. Preciso estudar muito pra passar com uma nota boa... apesar de todos os nativos daqui dizerem que meu inglês é muito bom, que eu não preciso provar pra ninguém que eu sei falar bem a língua deles. Enfim... Existem 3 tipos de certificado... vou verificar qual o que tem mais vantagem pra mim, porque todos tem validade.
Eu sei que eu tenho andado meio ausente de vocês... é porque eu precisei de um tempo pra mim, sabe? Até de Lavínia eu dei um tempo, apesar da gente morar e trabalhar juntas. Eu tenho sim, muitas saudades de vocês todos!! Quero muito voltar pra casa, mas ao mesmo tempo esse sentimento é 'adiável'... não sei se vcs me entendem... Não é o fato de ver vcs que é adiável. É o ter de voltar. Eu espero que vcs me entendam...É paradoxal... Eu também quero ser muito feliz e realizar todos os meus sonhos. Eu só quero saber quais são eles nesse exato momento. Por enquanto eu tô sendo feliz. :)
Eu entendo vcs estarem preocupados comigo... eu estaria preocupada também, se fosse com vcs... Mas tenham paciência... Eu não vou fazer mistério dessa vez. Vocês serão os primeiros a saber o dia que eu chego aí. Ok?
Amo muito muito muito vocês. não imaginam o quanto.




Adiei por um ano e dois meses, esse sentimento. Agora, já deu... eu creio.
Tô voltando pra casa. Aquela casa. Em outubro.
Sé é pra sempre? pra sempre é muito tempo. Nunca se sabe...

Tuesday, August 2, 2011

pigritia, laziness, preguiça

0 viagens...

preguiça

(latim pigritia, -ae, lentidão, vagar, preguiça)
s. f.
1. Propensão para não trabalhar. = mandriice, ócio, vadiagem
2. Demora ou lentidão em agir. = vagar
3. Gosto de estar na cama, de se levantar tarde.

Aconteceu o que todos previam: eu demorei séculos pra escrever de novo. ahha. sempre assim.
Olhando os posts, me perguntei: eu já escrevi sobre a Espanha? será? acho que não... ao menos, não consegui encontrar nenhum post que fizesse referência a tal viagem.
Bem, fui à Espanha (buscar o meu chapéu, azul e branco da cor daquele céu...) em setembro de 2010. Sim, mesmo mês da Alemanha. Férias (merecidas) de 2 semanas. =)
Marquei passagem pra Madri e, de Madri, para Barcelona. Para isso, não queria gastar com hostel e ainda conhecer gente nova e lugares meio que fora da rota turística... Saí perguntando a toooodos os amigos: "Ei, tu conheces alguém em Madri ou Barcelona que possa me hospedar?"... até no MSN eu postei. Daí foram surgindo as possibilidades... Tentei também o Couchsurfing, mas quando as respostas não eram negativas, elas não vinham.
Até que chegou bem perto do dia de ir a Madri e Bárbara, uma couchsurfer e amiga de Recife, me disse que tinha uma amiga na cidade e que ela poderia me hospedar, mas só os dois primeiros dias. Foi aí que surgiu a Ângela, a coisa mais linda do mundo! Ela foi até me buscar na estação do metro quando cheguei! E tome conversa, conversa, conversa... E Ângela me disse que não poderia me acompanhar pela cidade porque tinha de terminar o projeto dela de mestrado, que já devia ter terminado, que ainda não tinha escrito nada, que tava difícil, que a Ryanair era terrível com ela porque só colocava passagem barata... e pronto! Não tinha terminado o projeto e ainda ia viajar pra Roma! ahahhahahahahaha Companhia aérea de baixo custo TEM que ir pro Brasil, meu Deus! É um paraííííso!!!!!! Enfim, a mocinha do sul me deu altas dicas de Madri, me disse onde ir, onde comprar, onde comer, como chegar aos lugares e blábláblá... e lamentou mais uma vez não poder ir comigo. Sem problemas! eu tinha duas pernas, podia ir só. =) Como cheguei a cidade meio que à noite, fiquei só em casa, conversando e fui dormir pra aproveitar bem o dia seguinte.
Nossa, nem me lembro onde fui direito, mais... sei que eu sou uma meio turista. Gosto de ir aonde os turistas vão, mas também adoro ir a lugares que normalmente ninguém vai, só os locais... Então me perdi 450 vezes em Madri, como era de se esperar... ahahahahahah
Fui à Plaza de Toros, fiz a tour lá com o guia... foi bem massa. Uma pena matarem os touros, coitados. Wait! Pena matar do jeito que matam, somente, ok?
Fui ao centro da cidade, rodei, rodei, rodei... nossa, andei mais do que má notícia! Ave! Saí andando pelas ruas, observando as pessoas, sentando, escrevendo postais, comprando souvenirs...
Fui a um dos três museus que eu tinha comprado pacote (adoro museu, desculpa! ahahah)... voltei exausta pra casa! pppfff! Aí Ângela me recomendou ir a uma cidade próxima, Alcalá de Henares, a cidade de Miguel de Cervantes. Nossa, foi como música pros meus ouvidos! =D Já tava na lista de lugares para visitar! ahahahahahah

PAUSE
Pessoa, atenção. Se você vai a Madri, passe pelo Parque del Retiro ANTES de ir a qualquer museu. Eu dei vacilo e só fui no segundo dia lá... O que aconteceu? Eu comprei um pacote pra três museus, certo? Certo! Acontece que um deles, o Museo Reina Sofía, tem uma extensão dentro do parque, num dos casarões. No verão é comum acontecer instalações de arte nesse casarão... a entrada é gratuita e você ainda ganha um ingresso pro museu! Isto é, LEVEI FUMO! De novo, como em toda viagem, né? Reclamei mais do que bode embarcado quando fui ao dito museu e acabei dando o ingresso pra uma das pessoas da fila! Fiz até uma reclamação oficial por escrito (se não, não seria eu, gente... vocês sabem, né?)!!

PLAY
À tarde, fui a Alcalá. Cidadezinha lindinha, viu? Vale tanto a pena! Mas veja bem, é CLARO que eu me perdi! A cidade é minúsculaaaaa! Vocês não tem noção! Eu ri muito comigo mesma! Burra e besta...
A começar que eu cheguei lá na hora da siesta. Então, pedir informação, só se fosse pra turista... E turista não sabe de nada, né? Pronto... Saí andando na direção contrária à maior praça da cidade, onde se concentram praticamente 80% dos pontos turísticos da vila. E fui parar lááááá na casa de Noca! Uma fome que eu tava... acabei parando num barzinho, pedi comida e bebida (supercaros, em comparação aos preços espanhóis... na verdade, acho que foi outro fumo que eu levei, mas como eu tava com fome...). Depois chamei a mocinha que tava servindo e comecei a esboçar meu péssimo espanhol, misturado ao português e ao inglês... e a gente pode se comunicar! Ela me explicou o caminho que eu deveria tomar pra chegar à pracinha e à universidade (superantiga da estrela) e disse que lá teria um stand de informação turística pra me dizer mais lugares...

E tome andar!
Visitei a universidade, fiquei horas lá... muito fofinha a cidade toda! Mas a Universidade é mágica! Tudo muito antigo, do jeito que eu adoro! Resultado: demorei demais lá. Hahahahahahah tudo eu, tudo eu! Acabei perdendo de ir a outros lugares na cidade...
Caminhei mais e depois peguei o trem de volta pra Madri.
No último dia de Madri, fui ao centro, almocei uma paella bem boa indicada por Ângela. Depois, rumo ao último museu... aaahhh, Miró, Picasso e Dalí, seus lindos! Chorei, chorei e chorei vendo as obras... e, sem dúvida, chorei ainda mais quando dei de cara com Guernica. Que obra linda, meu pai! Não se podia tirar fotos de perto e, se tentasse, o segurança mandava apagar. Pense... mas fiquei feliz porque pude VER de perto. Não tava lá muito interessada em foto, porque a gente acha na internet... mas poder ver, quase tocar... nossa! Simplesmente maravilhoso!

Passeei mais e mais pelo centrão, pelas ruelas, e voltei pra casa.. tomei banho e me arrumei pra ir prum encontro do Couchsurfing e, de lá, dormir no aeroporto e esperar o voo pra Barcelona. =)