Saturday, April 24, 2010

Morar fora

0 viagens...

Não é apenas aprender uma nova língua.
Não é apenas caminhar por ruas diferentes ou conhecer pessoas e culturas diversificadas.
Não é apenas o valor do dinheiro que muda.
Não é apenas trabalhar em algo que você nunca faria no seu país.
Não é apenas ter a possibilidade de ganhar muito mais dinheiro do que se ganhava.
Não é apenas conquistar um diploma ou fazer um curso diferente.
Morar fora não é só fazer amigos novos e colecionar fotos diferentes.
Não é só ter horários malucos e ver sua rotina se transformar.
Não é só aprender a se virar, lavar, passar, cozinhar.
Não é só comer comidas diferentes, pagar suas contas, se preocupar com o aluguel.
Não é só não ter que dar satisfações e ser dono do seu nariz.
Não é só amar o novo, as mudanças e também sentir saudades de pessoas queridas e algumas coisas do seu país.
Não é só levantar da cama em um segundo quando chega encomenda da sua família.
Não é apenas já saber que é alguém do Brasil ligando quando toca seu celular todo domingo no mesmo horário.
Não é só a distância.
Não são apenas as novidades.
Não é só uma nova vista ao abrir a janela.

MORAR FORA é se conhecer muito mais…
É amadurecer e ver um mundo de possibilidades a sua frente.
É ver que é possivel sim, fazer tudo aquilo que você sempre sonhou e que parecia tão surreal.
É perceber que o mundo está na sua cara e você pode sim, conhece-lo inteiro.
É ver seus objetivos mudarem.
É mudar de idéia.
É colocar em prática.
É ver sua mente se abrir muito mais, em todos os momentos.
É se ver aberto para a vida.
É não ter medo de arriscar.
É aceitar desafios constantes.
É se sentir na Terra do Nunca e não querer voltar.
É querer voltar e não conseguir se imaginar no mesmo lugar.
Morar em outro pais é se surpreender com você mesmo.

É se descobrir e notar que na verdade, você não conhecia a fundo algo que sempre achou que conhecia muito bem: Você mesmo.

(achei esse texto navegando pelo orkut... gostei!)

Friday, April 2, 2010

Homesick

1 viagens...

Esse primeiro mês depois de umas férias bem merecidas no Brasil tem rendido bastante. Na verdade, o tempo no Brasil já me fez refletir muito sobre minha condição aqui na Irlanda. Sandra, minha nova flatmate, me perguntou se eu tive vontade de voltar pra casa quando cheguei aqui. Ela está aqui desde fevereiro, apenas.
E a resposta foi automática:
- Claro que sim! Sempre!
O que eles chamam aqui de homesick é realmente sério pra muita gente. Pra mim, especialmente.
Desde sempre meu pensamento era voltar pro Brasil dentro de um ano e ponto. Acontece que em julho me surgiu a possibilidade de tentar uma vaga de mestrado em Portugal. Daí decidi ficar e ver qual é. Mas, e a saudade?
Acredito que não falei disso ainda aqui, até porque esse blog tem vida própria... ahahahahhaha
Nossa! Quem estava comigo de julho a janeiro, muito obrigada! Agradeço de coração a paciência!! Nunca achei que eu fosse ficar tão 'doente'. Foi no sentido mesmo da palavra homesick. Minha vida era trabalho-casa. Escola não, porque minhas aulas haviam acabado no fim de julho.
Pois foi... sem muito drama, foi difícil resolver ficar mais um tempo aqui na europa. Hoje eu penso que essa foi a escolha que eu fiz. Eu nunca vou saber se foi a melhor escolha, mas foi a que eu quis.
Quando no Brasil, pensei bastante nas relações e nas decisões. Pensei que minhas amizades poderiam continuar amizades, independente da distância. E é uma verdade. Quando a gente cuida daquilo que é nosso, as coisas ficam mais fáceis. Não é apenas dizer 'eu te amo e sou seu amigo', entende? É muito mais que isso. Quem cuida, sabe do que falo.
E Dublin, a cidade que eu tanto bradava aos quatro ventos que não gostava... continua aqui. Na dela. Eu que não quis saber.
Como eu disse a uma amiga... talvez seja uma forma de defesa minha. Não querer me envolver demais pra não ficar difícil na hora de partir.
Acontece que a partida é fato. E a decisão de viver ou não isso aqui é minha. Resolvi viver.
Pela primeira vez em 14 meses de Irlanda, encarei um restaurante. Sim, pessoas... nunca tinha ido a um restaurante em Dublin. Achava desnecessário gastar dinheiro com coisas que eu tinha em casa. Mais uma vez, defesa.
A comida deliciosa, admito! Preciso fazer mais isso.
Mal posso esperar pela real primavera (é, aqui apesar de ser primavera, ainda faz 6 graus) e pelo verão pra ir ao parque caminhar ou pedalar (o/)... fazer pique-niques, gastar tempo conversando bobagens fora de casa, andando pela rua ou sentando num banco de praça.
Agosto... de Deus. eu quero mais é viver!

This is it.